De naovaspacuba a 11 de Março de 2008 às 14:13
Por acaso desta vez tenho de concordar, ainda que não totalmente, com a camarada Carol_k! O Socas diz, e com razão, que quem escolhe o Governo são as pessoas e que esse Governo escolhido democraticamente guia-se por um programa definido e legitimado pelas pessoas em eleições. Mesmo dando razão ao Socas não se pode ignorar o facto de que 100 mil pessoas (e não professores) se juntaram no mesmo local com um protesto comum. Isto deveria, pelo menos, fazer o PM Socas sentar e pensar. Com isto não digo que defendo o que essas 100 mil pessoas dizem defender, so acho que um PM não pode ter um discurso de indiferença perante tal concentração.
O M. Santos Silva disse meia duzia de verdades ao ser insultado por outra meia duzia de energumenos! Está na moda os partidos mais à esquerda organizarem manifestações para depois dizer que foram espontâneas. Aí onde juntam alguns dos militantes mais "cegos" (daqueles que sabem a cassete de cor) a insultar pessoas ao desbarato. Perante tal situação e debaixo de grandes insultos, o M. Santos Silva mandou a BOMBA de que Cunhal não contribuiu para a liberdade. Ora, Cunhal até contribuiu para a liberdade (apesar de se ter pisgado para o estrangeiro em 61 e só ter voltado depois do 25 abril. Esperto o senhor. Ainda levava um balázio e era uma chatice) mas todos os que estudaram História no secundário sabem que Cunhal apoiava regimes repressivos como o Soviético e que pretendia instaurar um modelo semelhante no país! No fundo Cunhal lutou pela liberdade porque depois a queria tirar para a poder controlar como entendesse! Se isso tivesse acontecido vivia eu agora em Espanha e o meu nick seria naovaspaportugal!


De Carol_k a 13 de Março de 2008 às 21:12
Não é um bocado injusto achar que, após 13 anos de prisão, 8 dos quais em completo isolamento, ele se "pisgou" para o estrangeiro para evitar levar um "balázio"?
Tendências idiológicas à parte...


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres