Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2008
O rolar de uma lágrima pela injustiça.

Chorei com a descrição dos gritos da criança ao ser vilmente depositada no carro de um estranho.

 

Que justiça é esta? Quem somos nós que achamos que os interesses de um homem (posso até não ter em consideração o facto de ele ter ignorado a existência de uma filha quando ela foi concebida) se sobrepõem aos de uma criança? As crianças são verdadeiramente inocentes e é nelas que devemos pensar!

 

O que vai ser dela? Em que adulta a tornaremos?

O mais provável é ser uma mulher fria, revoltada, desequilibrada e cheia de ódio. Nunca vai

ver aquele homem como pai. O mais certo, diria, é estarmos a condená-la ao sequestro perpétuo, ao isolamento de sangue. E todos nós, que deixámos que isto acontecesse, teremos de o carregar na consciência.

 

Ardeste, Baltazar! A filha não é tua, nem nunca será.

É pena eu não ser crente, senão esperava até que ardesses no Inferno (desejem-me mal à vontade, porque eu desejo muito mal àquele monstro).

 

Quando à pequena Esmeralda e aos seus Pais, desejo-lhes o melhor Natal que conseguirem suportar...

Se fosse eu, esperava pela menina. Se percebesse que entregá-la àquele monstro lhe faria mal, eu cá já nem a devolvia... nunca mais...

 


sinto-me: revoltada

publicado por Carol_k às 13:14
link do post | Digam coisas | favorito
|

Autores
pesquisar
 
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23

25
26
27
28
29
30
31


O que já foi escrito

O rolar de uma lágrima pe...

arquivos

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

links
subscrever feeds
Värnamo
Lisboa
Fazer olhinhos
blogs SAPO