Quinta-feira, 27 de Março de 2008
Que triste filme

Nas últimas semanas, vi um país espantado e incrédulo a olhar para um filme amador que relatava uma situação autêntica, vivida numa sala de aula de uma escola do Grande Porto. Uma professora de francês tenta retirar o telemóvel a uma aluna. Esta insurge-se contra a atitude da docente e num tom agressivo e completamente desadequado, exige que o seu Nokia lhe seja imediatamente devolvido. Daí até as duas protagonistas se envolverem numa disputa física pela posse do telemóvel, passaram uns míseros segundos. Tudo isto com uma plateia composta pelos restantes alunos da turma, ávidos de sangue, que além de incentivarem a atitude da colega, ainda arranjaram tempo para filmar tudo.

 

Ora as reacções a este triste acontecimento apareceram envoltas em espanto e revolta. Mais do que a situação em si, espantaram-me duas coisas: a estupefacção com que estas imagens foram recebidas pelos portugueses e a atitude da professora.

Devo dizer que, independentemente de não conhecer o tipo de relação existente entre a turma e a professora, me parece de todo ridículo que uma professora se envolva num confronto físico com uma aluna no meio de uma aula.  Isto porque, pensar que a afirmação de um professor perante a turma se pode fazer à custa da imposição da autoridade é ridícula e leva a casos como este. O professor impor-se-á na turma graças aos seus conhecimentos científicos, às suas práticas pedagógicas e ao ensino/prática das mais elementares regras cívicas e democráticas. E quando se depara com situações de indisciplina gritante, como foi o caso, o professor tem já ao seu dispor um role de procedimentos que lhe permite resolver a situação rapidamente e continuar com a aula calmamente.

Relembro que a figura do mestre-escola morreu há uns bons 30 anos e não conheço ninguém, se excluirmos aqueles “velhos do Restelo” que dizem à boca cheia que no tempo deles é que era bom, que queira voltar a esse tempo.

 

É certo que a classe docente vive um momento de algum descrédito público, fruto da contestação com que tem recebido algumas medidas governamentais e da forma como reage ao terrorismo verbal de um ministério da educação que peca pela falta de bom senso e inteligência. No entanto, referir que o "filme" da Carolina Michaelis é fruto desse actual descrédito é ignorar situações parecidas que já tiveram lugar no passado, em que a única diferença, comparando com o momento presente, seria a inexistência de telemóveis tão sofisticados.

 

Sobre a aluna, que ao que parece será transferida para outra instituição de ensino, dizer apenas que naquele momento personificou toda a formação cívica e comportamental que foi recebendo ao longo da sua vida, ou seja, nenhuma. E essa seria, em primeiro lugar, uma responsabilidade dos pais.

 



publicado por rjm99 às 19:34
link do post | Digam coisas | favorito
|

1 comentário:
De Daniel Martins a 28 de Março de 2008 às 09:59
Nem mais! Chega de visar o professor! Certamente não foi o professor que transferiu este tipo de instintos primatas à aluna, nem foi ele que lhe ofereceu o telemóvel.

A família é o primeiro agente de socialização e neste caso verificou-se uma grande falta do mesmo.


Comentar post

Autores
pesquisar
 
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23

25
26
27
28
29
30
31


O que já foi escrito

Um capítulo que terminou.

Cantinho do Fanático

Feliz 2009!!!

Véspera de Natal

O rolar de uma lágrima pe...

O regresso de o-mais-boni...

Santa baby...

Era brincadeirinha, pá!

Quase Jet 7 (e o Alvim es...

Boca do Inferno (ou a opi...

arquivos

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

links
subscrever feeds
Värnamo
Lisboa
Fazer olhinhos
blogs SAPO